quinta-feira, 30 de junho de 2011

SE QUERES A PAZ PREPARA-TE PARA A GUERRA


                           Exercícios de faz de conta.


                                   Queda na máscara.




                                               Ganhar aos pontos.



                                Ou o empate técnico.

NIGELLA DAMASCENA



Ainda em azul, a mesma flor de ontem, faz bom contraste com o amarelo das lantanas. Encontra-se também nos campos em pousio, onde nasce espontânea. Estas são flores do nosso jardim onde desde há anos se dão bem, sem especiais cuidados.


O fruto da Nigela, qual balão de São João. A Nigela também é conhecida por "cabelos de Vénus", barbas de velho e "amor em nevoeiro".



Mais em pormenor, o fruto da Nigela, em processo de maturação.




Frutos secos da nigela. As sementes de cor preta estão dentro das bolsas.



quarta-feira, 29 de junho de 2011

AZUL EM FLOR


Muito mais que azul, uma fascinante e complexa arquitectura projecta a flor para além dos bordos da corola.

MALVA ROSA ( ROSE TRÉMIÈRE )


Apenas um toque leve de amarelo num fundo róseo.


                     Ou o mesmo amarelo numa base de branco.


                    E se o rosado viajasse até ao centro ...

terça-feira, 28 de junho de 2011

PEDIDO DE DESCULPAS



Por razões da vida particular, estive ausente destes temas durante cerca de uma semana e sem dizer água vai. Peço desculpa, portanto. Por certo que daí não veio qualquer mal ao mundo mas confesso que a mim mesmo fez falta.
Verdadeiramnte grave foi a situação em que o jardim e quintal  ficaram. Felizmente que mãos caridosas acudiram aos vegetais a nosso cuidado quando a canícula apertou, regando-os. De outro modo teria sido o desastre.
Agora estamos de novo em fase de colheitas. Está, por exemplo, na hora de recolher as batatas que segundo informações recentes e credíveis começam a ser atacadas pela "borboleta" ainda na terra. A tarefa é tão pesada que este ano gostaria de fazer a arranca mecânica. Estou à procura de tractorista com o equipamento adequado.

MALVAS ESPONTÂNEAS


Como não admirar a beleza robusta destas plantas simples, que não podem contar com a mão de um jardineiro que as estrague com mimos.

MALVAS



Ainda é altura de semear as malvas. Mas, diz-se com razão que elas nascem apenas onde querem. Em meados de Outubro podem ser transplantadas para o lugar definitivo.
Apreciam a meia sombra.



As nossas malvas têm dois inimigos: o vento que de ano para ano aparece com mais força e frequência e que as faz tombar e o míldio que ataca as folhas.



Há quem aplique nas folhas das malvas os anti-míldios do mercado. Por mim prefiro que as regas sejam mais espaçadas e ligeiras e até agora não usei químicos nas malvas.



quinta-feira, 16 de junho de 2011

FEIJOCAS NOVO CANTEIRO


   Volto às feijocas porque não me canso de admirar as flores vermelhas ou brancas sob o fundo verde da folhagem. Também me parecem mais resistentes às pragas e doenças do que o feijoeiro comum. Dão um fruto maior mas em número bastante inferior a estes.



Dir-se-ia, um jardim ...




CRISÂNTEMOS EM JUNHO I



Dei notícia do  novo canteiro de crisântemos, plantado este ano por estaca, ao ar livre e de como foram precoces a florir. Pois ainda não pararam de florir. Esta fotografia e a que segue são de ontem. Que tal?

CRISÂNTEMOS EM JUNHO II


E as plantas, no todo, aparentam estar muito saudáveis, vigorosas, a cor das folhas bem carregada. Um espanto!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

GLADÍOLOS I



No jardim sucedem-se as novidades.

GLADÍOLOS II


Os gladíolos já começaram a florir. E como, nesta altura, já não sei que cor corresponde a cada haste, maior é a surpresa.
Apresento aqui algumas das cores duma paleta que nos gladíolos abrange quase  todo o espectro possível.

GLADÍOLOS III

             


As hastes são muito sensíveis ao vento. Achamos que os tutores são aconselháveis mas esteticamente resultam mal. E, na verdade, já recomeçou a ventar...



GLADÍOLOS IV


Gostaríamos que florissem em tempos bem diferentes, para prolongar o prazer. Mas a verdade é que com diferença de escassos dias quando abre um primeiro os demais não tardarão a aparecer também.




GLADÍOLOS V

 

Estas flores duram, na melhor das hipóteses, pouco mais de uma semana. Demoremo-nos na contemplação.

GLADÍOLOS VI


Em maciço com outras plantas sensivelmente da mesma altura em que podem apoiar-se, os gladíolos defendem-se melhor do vento.

GLADÍOLOS VII

Já experimentei há três anos  antecipar a plantação dos gladíolos, por junto, num só canteiro que preparei no quintal. Mas, depois disso, creio que estas plantas resultam melhor compondo um maciço com outras. Para a multiplicação venho usando o processo da divisão do rizoma. Este ano vou tentar recolher as sementes. Veremos com que resultado.

terça-feira, 14 de junho de 2011

GATA PAPUCINHA


Verdadeiras saudades da gata Papuças que me fez muita companhia nas lides do quintal, ora caçando ora brincando.

PALHAGEM (MULCHING)


Na parte do quintal não utilizada para cultura, cresce espontâneo o feno. A partir de agora fica extremamente seco. Há que o controlar devido ao perigo de incêndios. Venho passando duas vezes por ano com o tractor para o enterrar mas conclui que é uma sementeira que ia fazendo, especialmente quando logo a seguir surgem algumas chuvas. Ultimamente o tractorista usa um dispositivo que corta a erva mas não a enterra. Por vezes, também faço cortes parcelares com uma roçadeira mecânica, dessas usadas na limpeza de bermas das estradas. Crescem as despesas...
Então pensei em tirar algum partido dessas ervas secas. Como? Com a palhagem. Para isso, o corte há-de preservar a inteireza do feno. 
Coloco a palha debaixo das copas das árvores e nas culturas  à medida das necessidades. Por exemplo, nesta altura do ano com muito calor protejo as novas plantações com a palhagem. Foi o que fiz recentemente com a plantação de pepinos. Para isso tinha guardado desde há tempo um feixe de feno. Também já usei a caruma dos pinheiros especialmente na cobertura das sementeiras quando as sementes têm de ficar muito à superfície e desafiam por isso a cobiça dos pássaros (ex. nabiças). Há quem use as fitas que se compram nas carpintarias.
Receio que a palhagem sirva também de ninho de bichezas nefastas. Mas as vantagens são manifestas. Diminui o impacto do sol no solo mantendo a humidade por muito mais tempo, impede as infestantes e acabam a enriquecer o solo com a natural decomposição.
Esta semana reforcei a camada de feno debaixo da copa de algumas árvores pois, com o tempo, abate e vai diminuindo a eficácia. Também venho usando o feno em vários montes de compostagem.

AGAPANTO FLOR BRANCA


Flores pernaltudas.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

AGAPANTOS


Outra planta austera e fácil de cultivar. Plantámos os rizomas em linha nas bordas do relvado por onde alastram se os não controlarmos. Não é fácil a extracção dos excedentários. Geralmente faço-o à enxada. A multiplicação é também fácil. Faz-se no outono geralmente por divisão dos rizomas, podendo ser ainda por sementes, que são abundantes e de fácil recolha mas é processo que ainda não testei. As flores azuis predominam neste lado do jardim.  No final do ano anterior, procedi a uma limpeza profunda destas plantas. Eliminei as que, mais fracas, se encalavitavam com as vizinhas, extraindo à enxada os rizomas excedentários, bem como as infestantes que viviam à sua sombra. Limpei-as das folhas secas ou fanadas. Afastei a linha limite do relvado de grama também à enxada.  Adubei. Passei a controlar mais os caracóis e lesmas.  Mais atento ao desenvolvimento das roseiras trepadeiras também suas vizinhas, podando-as e limpando-as na base para facilitar a vida de todas. Finalmente, estamos a oferecemos-lhes regas mais frequentes. Melhores resultados são manifestos.

sábado, 11 de junho de 2011

LANTANA

A lantana é uma planta facílima de cultivar, sóbria e de belo efeito. Por isso a recomendo vivamente. Até na horta, como o exemplar acima. Estas fotografias foram tiradas ontem. Como se vê as lantanas começam agora  a despontar. Em breve crescerão de um modo espectacular. A de cima atingirá mais de um metro de altura e uma largura de cerca de 0,80 m. Ficará um arbusto fechado pleno de flores que atraiem uma variedade de insectos. Voltarei então com novas fotografias, quando estiver no auge.



Esta é uma variedade de lantana rasteira que temos no jardim. Em breve formará um maciço gigante. Dá uma mancha de belo efeito e também não requer nenhum cuidado especial. A floração dura largos meses. Vindo o inverno e as suas geadas, desaparecem as últimas folhas e parece que a planta acaba ali. Corto-lhes então todas as hastes, já secas, rente ao solo. Nos finais da primavera voltará a rebentar. 



Esta última variedade é de proporções mais modestas. Pelo menos assim tem acontecido com o exemplar do nosso jardim. Também a cor não é tão chamativa. Ainda assim não é nada desprezível, como concordarão.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

LANTERNINHA


Lanterna chinesa. Uma trepadeira que plantámos em vaso e que apenas recebe luz reflectida do sol. O resto do seu brilho é ... luz própria.

COUVES. SABE PLANTAR?


Faço-o pelos processos mais simples. Afinal temos sempre couves em excesso. Estas foram compradas quando plantinhas no comércio local. Como disponho de espaço, procuro fazer a rotação das culturas. A terra é previamente limpa de ervas, revolvida com a fresa depois de lançar algum estrume orgânico, estrumada e alisada.  Uso um pico metálico, desses à venda em todos os supermercados, para fazer um buraco suficientemente fundo de modo a que as raízes fiquem soltas. Depois, à mão aperto a terra em volta do caule, piso o solo para aconchegar a terra ás raízes e abro uma pequena caldeira com uma pá pequena e abico diariamente até que peguem.

CACTO FLORIDO


O solo do canteiro dos cactos é pobre. Areia grossa, dura, pedras de calcário. No inverno suportam repetidas geadas. Parece que não vão sobreviver. Mas renovam e de tempos a tempos oferecem uma flor. 

quinta-feira, 9 de junho de 2011

THOMISIDAE VATIA MISUMENA


A minha mulher gosta imenso de girassóis e todos os anos semeia alguns no jardim. Começaram agora a abrir. Numa das flores,  descobri ontem um intruso que para mim é inteira novidade, pela cor e pelo tamanho. Tem um enorme abdómen mole, ovalado, duas antenas curtas à cabeça, duas patas dianteiras e duas menores traseiras, de cada lado. Todo ele é amarelo brilhante e só o detectei pelo contraste com o castanho do círculo interior da flor.   Creio ter identificado uma aranha do caranguejo, fêmea, que ali se instalou para caçar vespas, abelhas ou moscas e que é capaz de modificar a sua cor. Não faz teia. Corresponder-lhe-á aquele nome latino que encima a fotografia. Ainda lá continua, aguentando o calor do sol em mimetismo perfeito com as pétalas. Porque a fotografia ilude sobre as reais dimensões dos objectos em causa, esclareço que o diâmetro da flor é de cerca de 13 cm e o do círculo castanho interior de cerca de 6,5 cm. O "parasita social" tem cerca de 1 cm de comprimento. 

SEMENTEIRAS EM MAIO UMA QUINZENA DEPOIS

Sementeira de 26 de Maio. Mostrei-as com uma semana, lembram-se?
Fotografias de ontem: em primeiro plano as plantinhas das courgettes. Ao cimo, à direita os pepinos.
Estão na altura de transplantar. Outras ficarão no local da sementeira assim lhes poupando o choque da mudança.
Vou estrumar a terra que lhes destinei. Vou abicar até poder concluir que estão definitivamente pegadas.
Se for bem sucedido (e, claro, queremos sempre ser bem sucedidos) que destino dar a tantos frutos?
Quanto à sementeira de couves da mesma data, estão bem mas como é natural pouco cresceram ainda, pelo menos para efeitos de transplantação.

LOENDRO



Uma planta austera que suporta largo tempo sem rega, também tem lugar no jardim.


segunda-feira, 6 de junho de 2011

SEBE PORMENOR


Que beleza! Mais abaixo aparece a paleta completa: o azul, ladeado dos não menos belos amarelo e rosa.